Executivo aposta na formação e investigação científica


O Vice-Presidente da República, Manuel Domingos Vicente, considerou no dia 07 de Abril, em Luanda, a formação e a investigação científica como pilares essenciais da estratégia do desenvolvimento sustentável de Angola.

O Vice-Presidente da Republica discursava na cerimónia de atribuição dos prémios nas categorias de “Investigação Científica” e “Formação” do Centro de Estudos Avançados em Educação e Formação Médica (CEDUMED) da Universidade Agostinho Neto, com patrocínio da clínica Multiperfil.
Manuel Vicente ressaltou a necessidade  do estímulo a formação e a investigação como actividades inseparáveis, a fim de se constituírem, de facto, em elementos propulsores do desenvolvimento, tendo em conta as exigências do mercado, os problemas sociais concretos do país.
Destacou igualmente  a necessidade se desenvolverem conhecimentos teóricos e práticos acompanhados de uma análise crítica, reflexiva e criativa, para que, em particular os profissionais da saúde, possam ingressar no mercado de trabalho de maneira competente e actuante.
O Vice-Presidente da Republica considerou importante a cooperação entre o mundo académico e o mercado empresarial, para potenciar uma maior ligação entre o conhecimento científico e a prática e, deste modo, alavancar a transferência de tecnologia e inovação para os sectores produtivos.
Declarou que a iniciativa de premiação contribui para promover a excelência, a qualidade, a inovação, o empreendedorismo, a eficiência e a modernidade no desempenho dos cidadãos, das instituições, das empresas e serviços nos diversos aspectos da vida e sectores de actividade.
Manuel Vicente defende instituições de ensino eficientes e capazes de produzir serviço de qualidade que satisfaçam as expectativas sociais.
Afirmou que o país tem de adoptar uma política de promoção da qualidade, dispondo de melhores professores, capazes de aplicar métodos eficazes e inovadores, para a formação de quadros mais bem formados, com competências que a sociedade e o mercado necessitam do ponto de vista científico, técnico e ético.
Advoga a necessidade de uma “boa” organização e da existência de recursos didácticos, como bibliotecas, mediatecas, tecnologias de informação e comunicação, laboratórios de ensino e estruturas de apoio aos estudantes, como refeitórios e apoio psicológico e de saúde.
Aconselha a criação de parcerias com centros de excelência espalhados pelo mundo, pela integração em consórcios e redes e pela participação em estudos e projectos, pelo que a cooperação internacional tem um papel fundamental, sem esquecer a colaboração com as redes e instituições nacionais.
Adianta ser importante a publicação em revistas internacionais ou locais, a produção de livros, manuais e outros materiais didácticos, no quadro da oferta de mestrados e doutoramentos e obedecendo às recomendações, padrões e melhores práticas internacionais em cada área do saber.

Espera que a atribuição dos prémios incentive as faculdades de Medicina e outras instituições de formação em ciências da saúde, bem como os seus professores, a investirem cada vez mais na expansão, alinhamento e qualificação da oferta formativa, assim como na investigação, para a melhoria contínua da capacitação dos seus profissionais.
O Vice-Presidente da República apelou, por ocasião do 07 de Abril, dia mundial da saúde, a uma reflexão sobre a importância de mantermos o corpo e a mente saudáveis e sobre os principais problemas de saúde que afectam as populações.

Fonte: ANGOP